Este pêlo branco

Aqui, nesta montanha batem os primeiros matinais raios de sol e quando este desce e se apresenta o luar tem-se a sensação de que nada se apresentou diferente do que já foi, do que é ou que poderá vir a ser. Não espere nada, nem deslumbramento nem desilusão, não é essa a brancura que se pretende.
Anseie o nulo para que atinja o supremo início do tudo de novo.
Muito gosto,
Cabra Branca.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

um dos mil pedaços



Quem é ela, quantas são ela? Cogitava ele entre o deslize das suas mãos grandes, seguras e fortes pelo corpo quente dela. Será mil ou uma só quebrada em tantas. Quem é ela perguntava... as mãos ouviam melhor do que ouvidos recheados a todas as palavras e ao que elas lhe podiam contar. Quem é ela questionava... no fundo sem querer saber. Não por medo, não por respeito, naquela pele afigurava o que era, era uma cortina fina que esvoaçava violenta, por portadas arrancadas a uma janela num sopro profundo, profano e revelador. Quem é ela? Uma? Meia dúzia? Quem é ela pensava... sabia, sempre soubera quem era, dizer para quê, dizer porquê, as palavras não eram necessárias. Sim, sempre soubera, só a esperou por todas as de mais de mil vidas que passou, e a esperou. Tranquilo continua à espera, com um olhar breve sobre um céu cobiçado por nuvens a passar. Quem é?
É ela. Qual delas não sei, não sei...
É ela. Seguramente é...
é ela!

7 comentários:

  1. é ela!!!! eu sei que é, ela!!

    ....a musica....

    ResponderEliminar
  2. Por ela, vale sempre a pena esperar, por elas sempre valerá a pena esperar e viver para tê-la, possui-la, qual delas.....Ela a verdadeira ELA, sei que ela há-de chegar! Por isso espero. Ps; Bem vinda.

    ResponderEliminar