Este pêlo branco

Aqui, nesta montanha batem os primeiros matinais raios de sol e quando este desce e se apresenta o luar tem-se a sensação de que nada se apresentou diferente do que já foi, do que é ou que poderá vir a ser. Não espere nada, nem deslumbramento nem desilusão, não é essa a brancura que se pretende.
Anseie o nulo para que atinja o supremo início do tudo de novo.
Muito gosto,
Cabra Branca.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Um Bimbo


Hoje, o tema de almoço entre as moças lá do trabalho, era a Bimby e os seus milagres aos molhos. E cada possuidora de tão nobre máquina, revelava os seus dotes culinários sobre as magias da mesma. Uma ainda arriscou lançar-me uma apresentação para ela ganhar um livro qualquer maravilhoso de culinária ou uma mala transportadora, para andar com a sua bimby para todo o lado.

Se elas sonhassem como eu sou boa na cozinha (pensava eu a ria-me sozinha... na cozinha sou mesmo, mesmo boa, encostada à parede ou nua sobre a bancada!)
E respondi,
Meninas, o que eu preciso é de um Bimbo, pá! Que me cozinhe, amasse e ainda me lave a loiça toda!
Algum Bimbo à venda?

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O tipo de meias

ou o tipo de homem...

A c@bra tem a sua opinião, que a tem! No entanto gostaria de saber a vossa.
Está lá, a minha, bem no fundo do post.  Inspirem-se: 


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
"No entanto acho estranho que, de acordo com um estudo que acabei de ler na internet, 44% dos homens escolha deixar as meias calçadas. Nós fazemos depilação, escolhemos roupa sexy, espalhamos cremes pelo corpo e perfumamos o cabelo. É pedir muito que eles tirem as meias?!" in Guia das mulheres para totós
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
TIRAR AS CALÇAS PRIMEIRO.
Um homem de meias e cuecas é horrível. Tire as meias primeiro. in diabinha - 40 erros que os homens cometem
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
E claro, o já conhecido da nossa praça MISTER CHARMOSO, que também deu o ar de sua graça, com a preciosa declaração de uma das suas MISSes, sobre esta temática, aqui
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Para ser inteiramente franca e recordando-me bem da situação, fiquei em estado de choque! Mentirinha, não, não fiquei! É obvio que gosto de todos os poros soltos da pele humana e muito mais nesta situação, a fazer amor ou sexo como queiram. Mas trajando franqueza superior, o homem que me proporcionou tal condição, era (é), um estrondo de cama. Vai daí que tivera tanto para desbravar que nem dei conta do belo do peúgo ao primeiro impacto!  
E verdade se diga, se eles tanto nos gostam de despir, também nós os temos de saber despir ao invés de alarmismos ou ter tema de conversa para com as amiga enquanto se toma chá, lançando reclamações trocistas! Bom, se o gajo for mauzinho no desempenho, nem despido de pele se safa à critica! Se for bom, caladinhas porque podem elas também o querer provar de peuguinhas!
Digam lá, qual menina, não deu uma toda vestidinha, com meias, sem meias, subindo o vestido e afastando a cuequinha? E eles podem até estar de fato completo! Ãnh? Pois é mais sexy...
Bom, mas reparem, antes homem de peúga, que de boxers de fantasia ridícula! Trombas de elefante... ui que medo!

terça-feira, 24 de abril de 2012

cor.REI.o


Confesso que há tanto a espero. A sério!
Abro a caixa de latão e só as cartas da EDP e da EPAL a encantar os meus dias. Com maior sorte, alguma conta a pagar ao Estado, que fico eu cá num estado...  
Ontem recebi, não pela forma tradicional é certo, mas de igual forma potente, palavras que roubam a totalidade das minhas, tem dias assim... obrigada. 
a Carta,


“poder tocar-te por momentos através da sinceridade de minhas palavras.
Sinto-me levado pelo teu belo recanto para trilhos de gloriosa satisfação. Não quero passar uma imagem de tarado, banal depravado que abunda pelos obscuros recantos blogosféricos. Apenas encontrei esta forma, para ser mais pessoal no agradecimento pela existência do teu espaço. Revejo-me no teu blogue, pois construi o meu como refúgio terapêutico no qual faço uma purgação de meus desejos, fantasias e prazeres.
Procuro manifestações do Belo. Da sensibilidade em estado puro, sem redes artificiais, sem tabus, desbravadas. Daí conectar-me contigo e teu delicioso espaço. Visito esse aconchegante local como forma de iluminar meus dias e acredita, sempre que agora vejo um post teu sorrio. Agradeço-te, pois inundas o meu dia, sem te aperceberes de tal. E se alguma vez te sentires mal, lembra-te que existe sempre alguém que sorri graças a ti. Isso é algo perfeito e avassaladoramente purificador.
És presença no meu quotidiano actual, mesmo quando não publicas nada, sorvo palavras que derramaste por lá. Despeço-me então de mansinho, agradecendo o pequeno espaço de tempo que concedes para me ler (se o fizeres).
Aqui estarei zelando pela tua presença num pedestal que alguém que tem essa sensibilidade merece. Despeço-me com uma vénia de veneração, depositando um beijo em ti.


Encantada.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Confissões de um cool.chão


foto gamada daqui
Numa cama surda, sobre a nudez dela, ele afigura um ar distante. Ilude a ausência premeditada, aparenta um conforto familiar, não sendo mais que um disfarce a um desalento conhecido.
Ela, sem artimanhas no argumento, beija-lhe o tronco já despido. Abre o cinto e desflora os botão das calças que escorregam céleres, descobrindo um falo pujante e atrevidamente desprotegido. Não usa cuecas.
O corpo dele deixa-se cair sobre o dela e enterraram-se os dois no flácido colchão.  As calças ao fundo das pernas travam-lhe os movimentos, mas com a ajuda dos pés femininos, acabam caídas ao abandono no chão.
Livres de discurso, enrolam-se amortecidos depois da queda naquele metro e meio de largo.
Como quem anseia por folhas brancas onde escrever, ela, inquieta e emagrecida por leitos anteriores, verte ávida de prazer. Ele, tímido assumido, intimida o seu próprio intuito, prende-se em mistérios, desespera por algo que não quer igual, que se quer  sim diferente dum só propósito desejo. 
E correm o corpo um do outro, como quem bebe água gelada em dia de escalda e se lambuza em fatias de meloa fresca. Numa pressa sem esperar fim, amam os territórios da pele, beijam, lambem cada poro atento, que se faz explodir em gotículas de amor salgado. Jorram aromas adocicados num sexo cobiçado.
E a música da vizinhança, encobre os gemidos. Lamentos lavrados a preliminares lânguidos. E ele sorve com perícia o sexo dela, recheia-a de beijos abafados e ventos suaves. E num reboliço muda a direção e ela mete-lo todo na boca, uma boca fervente... ele estica-se esguio, como quem tem cãibras.
Os sexos latejam em clamor à entrada e sem mais esperas penetram. Sustêm a respiração, param o tempo, ali se olham, um olhar colado, revelado da mais pura das vontades, um crepitar de algum querer falado, um dizer que se sabe desejado.
Libidinosos, os corpos encaixados, suavemente balançados procuram o cume do presente do futuro e de algum passado.  O prazer, esse vem jorrado, brilha jubilo de beleza e encanto... cerram os dentes e fecham o olhar, sussurram encostados,
és bom Peter,
és boa Sininho, 
Assinou. Discreto no saber, confessa aquele solitário colchão falante, lá naquela cama, naquele país de Nunca. 

quarta-feira, 18 de abril de 2012

citando a c@bra

clica na imagem

e Gemidos, como é? turn On or turn Off???

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Com.fé.são


Maria Hemércia Assunção, cozinheira, estava perto de completar 50 anos e em nada se sentia de quase meio século.
Mulher vivida que nunca deixara nada por fazer. A família era pouca, ou quase nenhuma, os amigos de longe não eram demais.
Honrava pagamentos, era educada, trabalhava sempre inspirada.
Alegre, sorridente, boa gente, grande falante e confidente a todas as bocas que de seus ouvidos lhe faziam enchidos. Cansada, sim, ali a sua idade pesava.
E enquanto envolvia a colher de pau em mais um panelão de arroz de berbigão, já tinha ela toda a solução, chá e poção, para todas as emaranhas do coração.
Hemérciaaaaa, chamava o seu colega João, enquanto ia pôr lixo no saguão.
Hemérciaaaaa que faço eu a meu irmão? É um engatatão, trai a mulher e a mim que sou seu irmão!
Como o trai a si, sr. João?
Então o cabrão, até pela minha Francisca tem tesão!
E Hemércia confinava resolução, apimentava a situação, argumentava e solucionava e João satisfeito beijava-lhe a mão.
Hemérciaaaa, alarmava o seu patrão.
Diga senhor?
Hemérciaaaa, que faço eu, que nem dinheiro há para pagar sequer o vosso pão!
Ai patrão, isso é que não! E Hemércia com sua educação, roubava um pouco mais de conduto a cada refeição e o seu patrão quase ajoelhava e lânguido beijava-lhe a mão.
No final de cada noite, dando fim a pratos e repastos, sentado à porta da tasca, ouvia o mendigo, já dado como seu irmão... Hemércia dá só mais um tostão. E Hemércia esticava o braço, deitava-lhe uma moeda na caixa de latão, ouvia o tilintar e o repenicar do beijo na mão.
Estava cansada, por vezes triste até, só ela é que não tinha situação. Sofria de todos os males da solidão, e à noite, deitada no seu estreito colchão, era mais uma, que no final sentia afeição, num beijar com fé, o teto da sua mão.

sábado, 14 de abril de 2012

So.L



Auge sereno de horas de cama eterna, longas horas... afim atingir o orgasmo, escoar também, as lágrimas pelo prazer...
E raiou o Sol.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

tens pinta?

Como sou uma c@bra @rtista (para quem não sabia passa a saber), vou promover uma atividade intitulada "tens pinta?"
Consta na aquisição de fotos pessoais da vossa melhor pinta corporal. Ou seja, cada qual, com o SEU sinal, no local do corpo que acha mais sensual.
Enviam a foto para o email da cabra, este: cabrabranca@gmail.com, com o nome do vosso blogue. A votação será feita pelos seguidores, a foto mais comentada será a vencedora.
Se não tens pinta... pinta uma!
Público alvo: TODOS
Objetivo : mostrar o quanto somos belos sem tratamentos de imagem!
Propósito : porque sim!
Fim: Brincar e sorrir!
No Finalmente: Se a adesão for considerável e todos estiverem de acordo, serão todas as fotografias reproduzidas e expostas em uma galeria conceituada da nossa praça,

espero que participem com entusiasmo, eu mereço tá!
Abertura: Agora!
Conclusão:13 de Maio de 2012

POR FAVOR
divulguem esta atividade
pelos vossos blogues
Obrigada

terça-feira, 10 de abril de 2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

fora de questão?

ele há desafios e Desafios,
para quem possa auxiliar o rapaz, em tão singela questão:


imagem do filme, os homens que encaravam cabras

P.s =nunca vi este filme, será que vale a pena, eu Cabra, ver? :)

domingo, 8 de abril de 2012

neste dia

com todo o requinte, para vós;

sábado, 7 de abril de 2012

a tua noite

Fazia frio, era uma noite de chuva...

Apanhei-te num sítio onde já não sei onde fica. As mensagens e os telefonemas feitos até ao momento faziam adivinhar o todo desejo que estava latente, pronto a explodir.

Entras-te no carro, olhámo-nos, não foi proferida nenhuma palavra, não era preciso.

Andámos alguns, poucos ou muitos, não sei precisar quantos km, e as tuas mãos chegaram a mim, teimosas em fazer o que tu no teu bom senso jamais farias. E a minha mão louca, tocou-te também, com desejo e conduzir tornara-se difícil.

Parei. Uma vez mais perdido, rendido naquele escuro... a chuva batia tensa no carro, um barulho ensurdecedor, mas eu ouvi, ouvia a tua respiração, o bater do teu coração, ouvi, ouvia o som do teu desejo intenso por muito disfarçado ser.

Olhámo-nos, os nossos lábios tocaram-se suavemente, um doce gosto fez o tempo parar para nós... já não havia chuva, nem noite, só nós, só nós dois éramos um só.

Um beijo demorado que soldou-se sôfrego, e como numa dança que muda de ritmo, o teu comando desapareceu. O desejo tomou-te conta das mãos, das tuas e das minhas que perderam o limite. Dedilhei sem tempo cada centímetro desse teu corpo, eras fonte a transbordar à entrada dos meus dedos, contraíste o corpo, moldaste e encaixaste, envolveste a tua mão na minha nuca e começaste a dançar, movimentos contínuos e circulares e os meus dedos dentro de ti. Os meus lábios ciumentos percorrem o teu pescoço, encontraram os teus mamilos e entre beijos e mordidas meigas, sinto-te estremecer, arrepiada em convulsão de prazer. Desço-te, onde tinha a boca dou lugar à minha mão que brinca nas tuas mamas... Desço mais e a minha língua sedenta encontra os teus grandes lábios, chupo-os, sorvo-os como a um néctar divino, olho-te e tenho uma visão deslumbrante, vejo-te perdida sem controle, os teus gemidos mudos são música para os meus ouvidos, oiço nitidamente carmima burana, um espectáculo só para mim... afundo-te a minha língua, brinco com o teu clítoris e sinto-te explodir. Delicio-me a ver-te assim, já sem forças a abraçares-me.

Quietos. Mais uma vez o tempo parou.. era noite e continuava a chover.

Sem dizer palavra despedimo-nos da tua noite, a só tua noite de prazer.


original de Water, arranjos de Cabra Branca

quinta-feira, 5 de abril de 2012

só muda a vogal!



Depois do desafio anterior, quem tinha afinal alguma curiosidade sobre a Cabra, que se tenha lambido de consolação. Afinal a Cabra não passa mesmo do que é, Cabra.
Mas hoje é noite de ser “diferente”, mudo-lhe uma simples vogal, cansada do “a”, enfio-me dentro de um “o”! Feitas as contas, de cAbra passo a cObra, julgo ser muito interessante e para vós, sim, já vos sinto vibrantes!
Certa porém, de que não abandono o meu lustroso e macio pêlo branco, não! Hoje visto-me de pele de cobra, ei-la luzidia e escorregadia. Hoje é com língua de cascavel. Hoje!
Não se cansem nestas linhas, elas vão se alongar e tudo o que cheira a muita letra junta dá sono e canseira, contudo acredito que conseguirei captar a vossa atenção. E obrigada desde já, por terem chegado até aqui!
Blogues, são casas sem paredes, sem tectos, sem uma singela porta que possamos bater e pedir licença para entrar, a medo ainda ficamos na espera de quem nos possa vir atender. Nos blogues não há senhoras das que emprenham revistas de foro religioso a ficarem à porta ou a serem enxotadas, despachadas com a mais pura das mentiras “tenho a casa a arder, agora não posso!” ou “tenho o bebé a vomitar, lamento mas não posso!”. Quando se dá conta não se está numa dessas casas mas já se entrou na aldeia toda!
E nesta aldeia da blogosfera, na qual eu montei a minha montanha e que é povoada não só pela Cabra que sou, mas por todas as Cabras e Bodes que aqui igualmente vêm ruminar, encontro-me fiel a vós com todos os estados de alma e de graça que me vão caracterizando. Tal como o amanhecer, mesmo nos dias cinzentos temos a certeza que o sol não se esqueceu de acordar.
Vai para dois anos e meio que subi pela primeira vez esta escarpa e fui encontrando pessoas maravilhosas e tal como as casas sem paredes, estas pessoas desta aldeia são desprovidas de pele, irrelevante quais vogais aqui se imponham para as conotar! Não têm conotação, não importa ter! São pessoas. A algumas lhes vi a estrutura, outras só as imaginei. Todas têm a sua cor o seu cheiro e o seu encanto. E só falo das que vieram sempre por bem, porque até hoje, posso gabar-me de que na mesa deste pasto só se sentaram, e continuaram a sentar, as melhores flores do prado. E grandes repastos se ruminam aqui! E como em toda a grande festa, não se quer a toalha limpa e houvera também nódoa lânguida que tivera o prazer de se impor à sua presença!
Sem esquecer ilustre, como todo o blogue que se preze, tem-se o anónimo de estimação. E o meu? O meu, ainda que periodicamente me dedique alguma atenção, nutro grande amor platónico por ele!
Mas afinal o que me entristece? Sim, tanta dedicação nesta lenga lenga... pois que são, casas com falsas paredes, a verdade é essa, blogues que se dizem escritos a mulher e que não passam de homens curiosos ou mal formados, já nem sei. Entristece-me um blogger enlaçado a policia à paisana, um blogger voyeurista, um blogger contrabandistas, um velhaco blogger! Bom, entristece-me... ou não, porque os olhos aqui são sempre mais que o dobro e as orelhas igualmente, já as “bocas”, essas aqui por vezes estão como as das cAbras, por outras, com línguas altamente afiadas como as das cObras!

e agora vou pensar numa lua, uma história e um segredo...

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Desa.Fio

Este é o resultado do desafio proposto pela seguidora: MissMary

que por sua vez
deu origem ao seguidor: Pecado e Luxuria, desafiar-me


O que te tira do sério? Dormir mal.

A que cheiras? A cabra que rumina alfazemas do campo.

A que sabes? Deixo para o bode responder.

O que gostas de ler? Por incrível que possa parecer, as PESSOAS.

O que te seduz? Um bom prado verde, deitar-me e coçar-me nele!

Sentes-te......? Livre

O que te deixa com um sorriso nos lábios? Fazer umas cabrices e dar uns pinotes!

O que dizem os teus olhos?(agora de olhos bem abertos): :)Amanheceu!!!

O que me oferecias? Uma noite na palha.

CABRA BRANCA, Bianca.
Agradeço à MissMary e ao Pecador a oportunidade de revelar um pouco de mim e deixar-lhes um beijo muito especial ;) Obrigada.
Gostava de dar seguimento ao desafio propondo-o aos meus seguidores:

M
PUTTA
DIAS CÃES
Ficará ao vosso critério aceita-lo ou não, na certeza porém, de que será respeitada qualquer que seja a vossa opção.

terça-feira, 3 de abril de 2012

é destas coisas...

Assim se passou, a campainha tocou. Desesperava no aborrecimento de tantas horas perdidas à espera. Verdade se diga o tempo não está para isso, para estas esperas, estes impasses...
Suando em eco na claraboia do prédio, os passos eram fortes e firmes ao subirem a escadas... Imaginava-o esticado no chão da minha cozinha...
Qual barrigudo, qual bigode farfalhudo, qual corpo mal banhado... A figura era ela,



boa figura!




gostei dela,
empresas de prestação de serviços tem destas coisas,
sempre uma surpresa.

Os canos? Ficaram limpinhos!!!

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Cana.liza.dor


Chamei um canalizador cá a casa...
Coisa de c.anos!
como é segunda-feira o gajo ainda me "dá a boca"...
aguardo...
por ele.

domingo, 1 de abril de 2012

Ven.dado

Cairás na rede... beijando-te os olhos claros, engano-os numa fita negra, envolvo-os na escuridão. Lambo-te a orelha, sussurro caprichos, baixo beijos, carrego-te os lábios. E dou um nó... desligo-te a luz solar... Aperto, confiante dos sentir vendados, esses olhos amados, as orelhas segredadas e os beijos escorregados por esse teu corpo minado.

Devagar...

e não foges, confias ânsias, dás entregas e esperanças. Serás enlaçado num final número um.