Este pêlo branco

Aqui, nesta montanha batem os primeiros matinais raios de sol e quando este desce e se apresenta o luar tem-se a sensação de que nada se apresentou diferente do que já foi, do que é ou que poderá vir a ser. Não espere nada, nem deslumbramento nem desilusão, não é essa a brancura que se pretende.
Anseie o nulo para que atinja o supremo início do tudo de novo.
Muito gosto,
Cabra Branca.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Domésticas


Pois pertenço a quem deseje, assim sobre um domínio de inventor a uma imagem de meu ser. Sou quem sabe Dela, caibo a um Ele e talvez ajuste a um Tu. Sirva mesmo assim a Ti, que estás feita leitora e és um Você. Sim, um simples você...

Não te conheço nem te apreço, seja de frente ou de lado, nesse perfil acostumado. Não! Não te avalio ou reconheço, não te admiro muito menos te penso. Também não te conto um único ponto ou te encanto com um fado. Repara, que isto não é recado! E pergunto-me; - E  que vens aqui fazer?

Dá-te a um simples escutar, um bater de teclado, numa máquina de escrever que não é alguidar remexido, espumado por um pó de lavar.
Lê, ainda que excitada, que não sou ingresso para uma vida pouco amada ou bebida que te deixe embriagada, desassossegada ao adormecer. Aqui, não encontrarás nada. Razão, conforto ou solução, nada! Não te dou a mão. Mas, tu perguntas; - E que vieste tu fazer?

É justa essa tua interrogação! Será meiga a minha posição?
 
Será, serei mais que um assobio, um olá, um aceno, um até já. Será, um não crer quem sou, um fim sem engendrado começo. Não te melindres, não invado, não invento, não destruo o que construíste. Quero só que acredites, que não sou formula criada nem ampola ajustada a uma terapia renovada. Serei, um todo alterado, adaptada à imagem inteira de quem me tem como querer ser. Sou uma Dona como tu, pouco domestica e com leve dose selvática. E eu cuidarei Dele...
Porque me quer? Não sei! Nem me afiguro em tão esbelto pensar, nem nesse teu (in)prazer de me conheceres. 

a ti,
que és uma Ela, um Você, és também Dona e a outra mulher.

11 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada nAnonima, quem sabe queres vir jantar lá à casa nova?
      Diz coisas ;)

      Beijo

      Eliminar
  2. Sejas apenas tu,sejas aquilo que dás a quem queres e isso será sempre o maior prazer ao te ler.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E está tudo dito! ;)
      Obrigada Gandalf

      Beijo

      Eliminar
  3. Porque TU escreves e EU gosto... Simplesmente porque es... Nao ha necessidade de saber o porque , o como e o onde nem o quem...
    Simplesmente porque gosto:D
    Beijossss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, OBRIGADA estragas-me com mimos ;)

      Beijo 2SaboresELA

      Eliminar
  4. QUE DISCURSO!!! ROUBAS-TE O MARIDO DE ALGUÉM!!???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não roubo nada a ninguém Anónimo, fica tranquilo :)

      Abraço

      Eliminar
  5. Achei piada à sonoridade das rimas propositadas que, desta vez, não combinam com a "seriedade" do tema. Torna-se um sério...divertido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) e difícil de escrever
      ... às vezes acontece.

      Beijo My Skin

      Eliminar
  6. O texto é uma perspectiva, a foto transborda de verdade. Ambos cativam e jogam com a sedução do que escondendo faz questão de deixar uma pista.

    ResponderEliminar